RD Online
POLO UNOPAR REDENTORA
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
JP Celulares Redentora
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
Nacional Gás Redentora
Lavacar e Borracharia do Juarez
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
TELE ENTREGA DE GÁS DO JAIRO
Anúncio Rádio RD Online
Lava Car do Éder
CENTER MÓVEIS REDENTORA
METALÚRGICA PORTELA
Macali Brasil
Gugui Confecções
Zany Decorações e Presentes
Marcos Higienização e serviços em geral
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
Via Tec telecom
Banner Site
Raynet Telecomunicações

Nove municípios da região não têm acesso asfáltico

Segundo Juvir Costella, expectativa é contar com recursos da bancada gaúcha para execução de trechos

08/06/2019 18h28
Por: Josoel Silvestre
Fonte: Secretaria de Logística e Transportes do RS
Foto: Amzop
Foto: Amzop

A falta de acesso asfáltico em nove municípios da região da Amzop foi o principal tema discutido na última reunião da entidade, que ocorreu paralelamente à programação de 60 anos de Seberi, na semana que passou. O encontro contou com a presença do secretário de Logística e Transportes do RS, Juvir Costella, que apresentou um panorama de como está a situação das estradas gaúchas.

No RS, o total de municípios que ainda têm acesso por via de chão batido chega a 67 cidades, das quais 53 não têm fonte de financiamento. Para atender esta demanda, de acordo com levantamento do órgão, seriam necessários R$ 302,5 milhões. Esse valor, que contempla obras, sinalização e material asfáltico, apoio técnico e impostos, é uma estimativa, uma vez que as obras estão paralisadas e, em muitos casos, existem serviços que precisam ser refeitos.

– Nossa expectativa é receber, através de emendas da bancada gaúcha, pelo menos R$ 150 milhões, recursos que garantem a execução de inúmeros trechos asfálticos reivindicados pelas comunidades há dezenas de anos –, observou Costella. Num prazo de 40 dias, a sede da secretaria deve passar a funcionar junto ao Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (Daer). “Queremos descobrir qual a função do Daer, ou o Daer funciona ou fecha. Vamos valorizar os funcionários do Daer que desejam efetivamente trabalhar. São 960 funcionários hoje e pretendemos permanecer com 600”, afirmou.

Amzop

Na área dos 43 municípios da Amzop, nove cidades ainda não contam com uma ligação asfáltica. O presidente da Amzop, prefeito de Ametista do Sul, Gilmar da Silva, avaliou como positiva a presença do secretário. “Sabemos a falta de recursos e percebemos que o secretário está buscando alternativas em relação à garantia de recursos para realizar as obras”, afirmou. Ele adiantou que nesta semana, 17 prefeitos da Amzop estiveram em Brasília para comprometer a bancada gaúcha a garantir valores de emendas para obras asfálticas.  Na ocasião, ainda houve a assinatura de um termo de cooperação entre o Estado e os municípios para reparos nas rodovias estaduais da região.

Também esteve presente na reunião, o vice-Reitor da UFSM, Luciano Schuch, que fez um relato da importância da universidade que, na região da Amzop, possui unidades em Frederico Westphalen e Palmeira das Missões. Paralelamente, ocorreu o Encontro das 1ª Damas dos municípios da Amzop. Já o geólogo Carlos Fellenberg falou sobre a outorga dos poços artesianos - alteração da resolução sobre prazos para regularização da captação de água subterrânea por poços existentes na área rural, mediante cadastro no Sistema de Outorga de Água do Rio Grande do Sul.

Trechos que ainda não têm acesso asfáltico na região*

- ERS-325 - Cerro Grande. Extensão: 17,3 Km. Investimento: R$ 12,7 milhões. O trevo de acesso à BR-386 não fazia parte do contrato, pois o projeto, até hoje, não tem aprovação do Dnit.

- São José das Missões (sede) – BR-386. Extensão: 3 Km. Investimento: R$ 3,5 milhões. Empresa encerrou as atividades no RS. Será preciso chamar a segunda colocada ou relicitar. Obra pode receber recursos de emendas parlamentares.

- Engenho Velho (final do calçamento) – Entroncamento ERS-500 (Constantina). Extensão: 8,8 Km. Investimento: R$ 9,8 milhões. Empresa encerrou as atividades no RS. Será preciso chamar a segunda colocada ou relicitar. Obra pode receber recursos de emendas parlamentares.

- Ent. da ERS-325 (Pinhal, perímetro urbano) – Novo Tiradentes. Extensão: 7,84 Km. Investimento: R$ 10,37 milhões. Empresa não cumpriu o cronograma CIDE e o contrato está em fase de rescisão para nova licitação. Obra pode receber recursos de emendas parlamentares.

- Acesso a São Pedro das Missões. Extensão: 6 Km. Investimento: R$ 12,9 milhões. Empresa encerrou as atividades no RS. Será preciso chamar a segunda colocada ou relicitar. Obra pode receber recursos de emendas parlamentares.

- Iraí – Planalto. Extensão: 10 Km. Investimento: R$ 13,8 milhões. Obra consta no plano de trabalho do Cide e já teve serviços iniciados. Pode receber recursos de emendas parlamentares.

- ERS-528 (Palmitinho-Pinheirinho do Vale). Extensão: 18,41 Km. Investimento: R$ 12,5 milhões. Obra consta no plano de trabalho do Cide e já teve serviços iniciados. Pode receber recursos de emendas parlamentares.

- ERS-330 (acesso a Dois Irmãos das Missões. Extensão: 18 Km. Contrato de 1998 rescindido com a empresa Brasil). Obra necessita de atualização do projeto para ser relicitada. Ainda não tem recursos.

- ERS-591 (FW-Ametista do Sul). Extensão: 11 Km. URI-FW está elaborando o projeto, com apoio técnico da equipe de engenharia do Daer. Precisa ser licitada e ainda não tem recursos.

- ERS-325 (Cerro Grande–Novo Tiradentes). Extensão: 6,5 Km. Pavimentação depende da elaboração de projeto para ser licitado. Não há recursos previstos.

- Rodovia da Integração (Rodeio Bonito-Trindade do Sul). ERS-587/ERS-324. Não se trata de trecho de rodovia estadual, sendo necessário ser tratada a estadualização. Caso ocorra, ainda precisa de projeto e busca de recursos para licitação.

- ERS-150 (Vicente Dutra-Mondaí [SC]). Extensão: 9 Km. Contrato antigo, de 1990, foi rescindido com a empresa GAVA. Necessita novo projeto, licitação e busca de recursos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.