RD Online
Raynet Telecomunicações
Marcos Higienização e serviços em geral
TELE ENTREGA DE GÁS DO JAIRO
Destak Cursos Profissionalizantes
Gugui Confecções
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
ZANY DECORAÇÕES
Via Tec telecom
Lavacar e Borracharia do Juarez
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
POLO UNOPAR REDENTORA
Anúncio Rádio RD Online
JP Celulares Redentora
CENTER MÓVEIS REDENTORA
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Macali Brasil
Nacional Gás Redentora
Lava Car do Éder
Banner Site
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
METALÚRGICA PORTELA
O amor não acabou

Soldado americano reencontra namorada francesa 75 anos depois de tê-la deixado pra ir pra guerra

Em 06 de Junho de 1944, o Dia D, o soldado norte-americano Kara Troy Robbins desembarcou na Normandia, na França, onde conheceu uma jovem francesa pela qual se apaixonou.

13/06/2019 21h06Atualizado há 5 meses
Por: Josoel Silvestre
Fonte: www.publico.pt
O reencontro de Kara Troy Robbins e Jeannine Gayane. Imagem do Canal de TV France 2
O reencontro de Kara Troy Robbins e Jeannine Gayane. Imagem do Canal de TV France 2

É uma história de amor com 75 anos, o tempo que o soldado americano Kara Troy Robbins esperou para reencontrar a sua paixão francesa, Jeannine Gayane.

Tudo começou em plena II Guerra Mundial, quando o então jovem norte-americano Kara Troy Robbins desembarcou na Normandia, em 06 de Junho de 1944, juntamente com milhares de soldados aliados. Esse dia, o Dia D, ficaria para a História pelo início da ofensiva final das forças aliadas sobre a Alemanha nazi, mas também ficaria inscrito na história pessoal de Robbins e Gayane.

Na aldeia de Briey, próxima do local de desembarque, onde permaneceu durante algumas semanas, Robbins conheceu Jeannine, então com 18 anos. O casal apaixonou-se mas a guerra, tal como aconteceu em tantos outros casos, separou-os. Passados dois meses, o soldado norte-americano teve de regressar à frente de batalha e os namorados viram-se obrigados a despedir-se.

A separação não foi fácil. “Quando ele subiu para o caminhão chorei muito, fiquei muito triste”, recorda Jeannine Gayane, citada pelo diário El Español.

Mas Gayane não perdeu a esperança e começou a aprender inglês, para o caso de reencontrar Robbins quando a guerra terminasse. O que não aconteceu. “Disse-lhe que talvez regressasse e a levasse comigo, mas não foi assim”, lembra o soldado.

A vida continuou e cada um seguiu o seu caminho. Robbins casou e formou família nos Estados Unidos, enquanto Gayane permaneceu na França. Os dois não voltaram a entrar em contato.

“Quando te casas, já não podes fazer isso”, explicou Kara Troy Robbins ao canal televisivo France 2, justificando o porquê de Jeannine nunca ter recebido uma carta.

75 anos do Dia D

E uma semana atrás, dia 06 de junho de 2019  passado 75 anos do desembarque na Normandia, o casal voltou a encontrar-se. Foram as celebrações do Dia D que levaram os repórteres à casa de Kara Troy Robbins, em busca de recordações e histórias dos veteranos da guerra.

Entre recortes de jornais e memórias, estava uma fotografia da jovem Jeannine. Foi então que o antigo soldado contou a história daquele romance, o que levou os repórteres do canal televisivo France 2 a procurarem a mulher do retrato.

Grande foi a surpresa de Robbins quando o informaram que, ao contrário do que o antigo soldado pensava, Jeannine ainda estava viva. Agora com 92 anos, viúva e com cinco filhos, Jeannine Gayane vive em Montigny-les-Metz, na região de Lorena, no Nordeste da França.

Setenta e cinco anos depois, o antigo soldado norte-americano, também ele viúvo, voltou a atravessar o Atlântico e os dois reencontraram-se, por algumas horas, na França (um reencontro que foi documentado pelo canal francês).

Entre beijos e promessas de amor, Robbins acabou por partir outra vez para os Estados Unidos, mas não sem prometer primeiro​ que se voltarão a encontrar, como aconteceu no Dia D.

  • Soldado americano reencontra namorada francesa 75 anos depois de tê-la deixado pra ir pra guerra
  • Soldado americano reencontra namorada francesa 75 anos depois de tê-la deixado pra ir pra guerra
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.