RD Online
Zany Decorações e Presentes
Banner Site
Anúncio Rádio RD Online
Gugui Confecções
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
Marcos Higienização e serviços em geral
Via Tec telecom
Macali Brasil
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
CASA DOS LANCHES
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Lava Car do Éder
POLO UNOPAR REDENTORA
UNOPAR VESTIBULAR

Sem suportar mais a dor, 'homem-árvore' pede para que suas mãos sejam amputadas

Abul Bajandar, 28 anos, sofre de epidermodisplasia verrucosa, uma doença genética muito rara

24/06/2019 21h24
Por: Josoel Silvestre
Fonte: Gaúcha ZH
Caso ficou conhecido em todo o mundo durante primeira internação no hospital em Bangladesh em 2016. Foto: STR / AFP
Caso ficou conhecido em todo o mundo durante primeira internação no hospital em Bangladesh em 2016. Foto: STR / AFP

O cidadão bengali conhecido como "o homem-árvore", por suas mãos e pés cheios de verrugas em forma de casca, anunciou nesta segunda-feira (24) que quer que suas mãos sejam amputadas para aliviar sua dor insuportável.

Abul Bajandar, 28 anos, sofre de epidermodisplasia verrucosa, uma doença genética muito rara. Seu caso ficou conhecido em todo o mundo durante sua primeira internação no hospital em Bangladesh em 2016.

Os médicos de um hospital universitário de Daca o declararam curado.No entanto, ele sofreu várias recaídas e no total foi submetido a 25 cirurgias. Desde janeiro, se encontra novamente internado em um hospital na capital.

— Eu não suporto mais a dor, não consigo dormir à noite, pedi aos médicos que cortem minhas mãos para pelo menos respirar — disse.

O procedimento é apoiado por sua mãe, Amina Bibi.

— Pelo menos ele será libertado da dor, é um inferno —declarou.

Médicos irão decidir sobre pedido

Abul Bajandar também tem verrugas nos pés, mas estas são em menor número. Ele disse que pediu para ser tratado no exterior, mas não tem dinheiro para cobrir as despesas. Samanta Lal Sena, chefe do setor de cirurgia plástica do hospital em Daca, onde o paciente é tratado de graça, disse que uma comissão de sete médicos se reunirá para discutir o caso.

— Ele deu sua opinião pessoal, mas vamos decidir a melhor solução para ele — explicou.

A clínica também tratou em 2017 uma menina de Bangladesh que sofria da mesma doença. Embora suas excrescências tenham sido removidas, mais tarde elas reapareceram em maior número. Sua família acabou com o tratamento e a levou de volta para seu povoado.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.