RD Online

WhatsApp

55996230597 -- 55999899863 -- 55997318413

Anúncio Rádio RD Online
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
Macali Brasil
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Via Tec telecom
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
POLO UNOPAR REDENTORA
Zany Decorações e Presentes
Marcos Higienização e serviços em geral
CASA DOS LANCHES
Lava Car do Éder
Gugui Confecções
UNOPAR VESTIBULAR
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
Lavacar e Borracharia do Juarez
Banner Site

Mulher é condenada por matar a irmã em Bento Gonçalves

Ana Paula Marin Bitencourt, 34 anos, confessou ter assassinado a Aparecida

12/07/2019 08h38
Por: Josoel Silvestre
Fonte: Gaúcha ZH
Mulher confessou ter premeditado e cometido assassinato da irmã, em Bento Gonçalves. Foto: Divulgação / Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
Mulher confessou ter premeditado e cometido assassinato da irmã, em Bento Gonçalves. Foto: Divulgação / Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul

O Tribunal do Júri realizado nesta quinta-feira (11) em Bento Gonçalves terminou com a condenação de Ana Paula Marim Bitencourt, 34 anos, pelo assassinato da irmã Aparecida de Fátima Marim Bitencourt, 44. Segundo a 1ª Vara Criminal do município, a pena é de 19 anos de prisão por homicídio qualificado por meio cruel. O crime aconteceu no dia 2 de agosto de 2017. 

Conforme o Ministério Público, Ana Paula estava morando há poucos meses no apartamento da irmã no bairro São Francisco e, após desentendimentos, asfixiou Aparecida e a atacou com golpes de faca no peito. Para despistar vizinhos que ouviram gritos de socorro, Ana Paula se passou pela irmã e impediu a entrada de policiais militares.

No dia seguinte ao crime, conforme a promotoria de Justiça, fingiu novamente ser Aparecida ao utilizar o celular dela para mandar mensagens ao síndico do prédio, pedindo desculpas pelo tumulto da noite anterior, e para a empregadora da vítima, dizendo que não poderia trabalhar naquele final de semana.

À Polícia Civil, ela chegou a confessar o crime, mas durante o processo negou a autoria do assassinato —  embora, por vezes, tenha dito que sofria surtos e "saia de si" . Nesta quinta-feira, voltou a admitir que cometeu o homicídio. Conforme o promotor Eduardo Só dos Santos Lumertz, ela não apontou objetivamente um motivo para isso. Lumertz ainda avalia se irá recorrer da sentença para pedir alteração na pena.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.