RD Online
JP Celulares Redentora
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
METALÚRGICA PORTELA
UNOPAR INFE
Raynet Telecomunicações
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Anúncio Rádio RD Online
Nacional Gás Redentora
Gugui Confecções
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Móveis Rústicos do Nego Claudio
Via Tec telecom
Gráfica Modelo
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
BAILE BENEFICENTE - HOSPITAL SANTO ANTÔNIO
Macali Brasil
Marina Móveis Redentora
UNOPAR VESTIBULAR
Cervejaria da Praça
Banner Site

Secretaria da Saúde abre discussão sobre nova política pública de transplantes de órgãos

14/08/2019 14h30
Por: Josoel Silvestre
Fonte: Secom/RS
A secretária Arita promete agir para que a área de transplantes de órgãos e tecidos dê um salto de qualidade no RS - Foto: Divulgação / SES
A secretária Arita promete agir para que a área de transplantes de órgãos e tecidos dê um salto de qualidade no RS - Foto: Divulgação / SES

A secretária da Saúde, Arita Bergmann, e o diretor do Departamento de Regulação Estadual, Eduardo Elsade, receberam, nesta terça-feira (13/8), deputados da Frente Parlamentar de Estímulo a Doação de Órgãos e a direção da organização Viavida, que promove a doação de órgãos e tecidos no Rio Grande do Sul.

Os gestores estaduais ouviram as sugestões para melhorar os índices de transplantes realizados no Estado e enfrentar os desafios. “Estamos hoje em sexto lugar entre os Estados brasileiros em doações de órgãos, já fomos o primeiro. Queremos trabalhar com a secretaria da Saúde para voltarmos a ser referência”, explicou a vice-presidente da Viavida, Noemia Saltz.

A secretária Arita disse que a área de transplantes de órgãos e tecidos precisa dar um salto de qualidade no RS e que, para isso, irá reformular a política estadual referente ao assunto, ouvindo especialistas e população e conhecendo a experiência de outros Estados, como Santa Catarina e Paraná.

Eduardo Elsade ressaltou que o Rio Grande do Sul tem tradição, bons profissionais e expertise. “A desorganização da rede hospitalar é um dos motivos que derrubou o número de transplantes no nosso Estado. Uma boa gestão da saúde é fundamental neste processo”, explicou o diretor.

Entre as medidas levantadas estão capacitação de profissionais médicos para o diagnóstico de morte cerebral, eventos de fomento à discussão do assunto entre gestores, políticos e sociedade, elaboração de metas contratuais entre Estado e hospitais de referência em transplantes, criação de um órgão consultivo com participação de entidades, elaboração de leis que reduzam a burocracia e o tempo de espera das famílias doadoras, formas de fiscalização dessas leis e outras.

Estiveram presentes na reunião os deputados estaduais Fábio Branco e Franciane Bayer e a presidente da Viavida, Maria Lucia Elbern.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.