RD Online

WhatsApp

55996230597 -- 55999899863 -- 55997318413

PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
Cervejaria da Praça
Marina Móveis Redentora
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Macali Brasil
Marcos Higienização e serviços em geral
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
JP Celulares Redentora
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
Nacional Gás Redentora
Anúncio Rádio RD Online
Banner Site
Raynet Telecomunicações
UNOPAR VESTIBULAR
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
POLO UNOPAR REDENTORA
Lavacar e Borracharia do Juarez
Via Tec telecom
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
ZANY DECORAÇÕES
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Gugui Confecções
METALÚRGICA PORTELA

Secretaria da Saúde abre discussão sobre nova política pública de transplantes de órgãos

14/08/2019 14h30
Por: Josoel Silvestre
Fonte: Secom/RS
A secretária Arita promete agir para que a área de transplantes de órgãos e tecidos dê um salto de qualidade no RS - Foto: Divulgação / SES
A secretária Arita promete agir para que a área de transplantes de órgãos e tecidos dê um salto de qualidade no RS - Foto: Divulgação / SES

A secretária da Saúde, Arita Bergmann, e o diretor do Departamento de Regulação Estadual, Eduardo Elsade, receberam, nesta terça-feira (13/8), deputados da Frente Parlamentar de Estímulo a Doação de Órgãos e a direção da organização Viavida, que promove a doação de órgãos e tecidos no Rio Grande do Sul.

Os gestores estaduais ouviram as sugestões para melhorar os índices de transplantes realizados no Estado e enfrentar os desafios. “Estamos hoje em sexto lugar entre os Estados brasileiros em doações de órgãos, já fomos o primeiro. Queremos trabalhar com a secretaria da Saúde para voltarmos a ser referência”, explicou a vice-presidente da Viavida, Noemia Saltz.

A secretária Arita disse que a área de transplantes de órgãos e tecidos precisa dar um salto de qualidade no RS e que, para isso, irá reformular a política estadual referente ao assunto, ouvindo especialistas e população e conhecendo a experiência de outros Estados, como Santa Catarina e Paraná.

Eduardo Elsade ressaltou que o Rio Grande do Sul tem tradição, bons profissionais e expertise. “A desorganização da rede hospitalar é um dos motivos que derrubou o número de transplantes no nosso Estado. Uma boa gestão da saúde é fundamental neste processo”, explicou o diretor.

Entre as medidas levantadas estão capacitação de profissionais médicos para o diagnóstico de morte cerebral, eventos de fomento à discussão do assunto entre gestores, políticos e sociedade, elaboração de metas contratuais entre Estado e hospitais de referência em transplantes, criação de um órgão consultivo com participação de entidades, elaboração de leis que reduzam a burocracia e o tempo de espera das famílias doadoras, formas de fiscalização dessas leis e outras.

Estiveram presentes na reunião os deputados estaduais Fábio Branco e Franciane Bayer e a presidente da Viavida, Maria Lucia Elbern.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.