RD Online
Banner Site
Nacional Gás Redentora
Via Tec telecom
Marina Móveis Redentora
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Cervejaria da Praça
UNOPAR VESTIBULAR
Raynet Telecomunicações
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
Anúncio Rádio RD Online
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
JP Celulares Redentora
METALÚRGICA PORTELA
Lavacar e Borracharia do Juarez
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
Gugui Confecções
ZANY DECORAÇÕES
POLO UNOPAR REDENTORA
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Marcos Higienização e serviços em geral
Macali Brasil

Projeto sobre porte de armas vai ser votado em regime de urgência na Câmara

15/08/2019 14h57
Por: Josoel Silvestre
Fonte: Agência Brasil
Foto: Arquivo/ABr
Foto: Arquivo/ABr

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nessa quarta-feira (14) o regime de urgência para votação do Projeto de Lei 3.723/19, do Poder Executivo, que permite a concessão, por decreto presidencial, de porte de armas de fogo para novas categorias, além das previstas no Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/03). Ainda não há data para que a proposta seja apreciada.

Atualmente, o porte só é permitido para as categorias descritas no Estatuto do Desarmamento, como militares das Forças Armadas, policiais e guardas prisionais, por exemplo. O pedido de urgência havia sido pautado para a sessão de terça, mas um acordo para viabilizar a votação da MP da Liberdade Econômica postergou a votação para essa quarta.

Durante a noite, o plenário votou o Projeto de Lei 7.596/17, que define os crimes de abuso de autoridade. O texto engloba atos cometidos por servidores públicos e membros dos três Poderes da República, do Ministério Público, dos tribunais e conselhos de contas e das Forças Armadas.

Aprovado no Senado em junho, o texto prevê a criação do crime de caixa 2, de compra de votos e o aumento de pena para o crime de corrupção, tornando a prática hedionda em algumas situações. Atualmente considerada crime eleitoral e não penal, com penalidade inferior à aplicada a outros crimes e passível de prescrição no prazo de um mandato, a prática de caixa 2 em campanha eleitoral pode ser tipificada como crime.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.