RD Online
Marina Móveis Redentora
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
Gráfica Modelo
Móveis Rústicos do Nego Claudio
JP Celulares Redentora
Cervejaria da Praça
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Banner Site
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
BAILE BENEFICENTE - HOSPITAL SANTO ANTÔNIO
Macali Brasil
Gugui Confecções
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
UNOPAR VESTIBULAR
CONVITE RODEIO BRAGA
METALÚRGICA PORTELA
UNOPAR INFE
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Raynet Telecomunicações
Nacional Gás Redentora
Anúncio Rádio RD Online
ZANY DECORAÇÕES
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
Agenda Comércio de Bebidas Vigne e Oliveira
Via Tec telecom
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR

Estupro bate recorde no país e maioria das vítimas são meninas de até 13 anos

11/09/2019 11h27
Por: Josoel Silvestre
Fonte: Agência Brasil
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O 13ª Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nessa terça-feira (10), registrou nível recorde de violência sexual. Foram 66 mil vítimas de estupro no Brasil em 2018, maior índice desde que o estudo começou a ser feito, em 2007.

A maioria das vítimas (53,8%) foram meninas de até 13 anos. Conforme a estatística, apurada em microdados das secretarias de Segurança Pública de todos os estados e do Distrito Federal, quatro meninas até essa idade são estupradas por hora no país. Ocorrem em média 180 estupros por dia no Brasil, 4,1% acima do verificado em 2017 pelo anuário.

De acordo com a pesquisadora do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Cristina Neme, “o perfil do agressor é de uma pessoa muito próxima da vítima, muitas vezes seu familiar”, como pai, avô e padrasto, conforme identificado em outras edições do anuário. O fórum é o órgão responsável pela publicação do anuário.

Para a pesquisadora, a reincidência do perfil indica que existe “algo estrutural nesse fenômeno”. Ela considera que a mudança de comportamento depende de campanhas de educação sexual e que o dano exige mais assistência e atendimento integral a vítimas e famílias.

De cada dez estupros, oito ocorrem contra meninas e mulheres e dois contra meninos e homens. A maioria das mulheres violadas (50,9%) são da raça negra.

Feminicídio

Além do crescimento da violência sexual, o anuário contabiliza alta dos homicídios contra mulheres em razão de gênero, o chamado feminicídio, descrito no Código Penal após alteração feita pela Lei nº 13.104.

Em 2018, 1.206 mulheres foram vítimas de feminicídio, alta de 4% em relação ao ano anterior. No Rio Grande do Sul, o número de mortes cresceu mais de 40%.

De cada dez mulheres mortas, seis eram negras, revela o anuário. A faixa etária das vítimas é mais diluída, com 28,2% delas entre 20 e 29 anos; 29,8% entre 30 e 39, e 18,5% entre 40 e 49. Nove em cada dez assassinos de mulheres são companheiros ou ex-companheiros.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.