RD Online
Lavacar e Borracharia do Juarez
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
CASA DOS LANCHES
Macali Brasil
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
Lava Car do Éder
UNOPAR VESTIBULAR
Banner Site
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
POLO UNOPAR REDENTORA
Zany Decorações e Presentes
Anúncio Rádio RD Online
Marcos Higienização e serviços em geral
Via Tec telecom
Gugui Confecções
CRISSIUMAL

Morte de vacas com suspeita de intoxicação causa grande prejuízo a família de produtores de leite de Crissiumal

O caso ocorreu na localidade de Lajeado Grande, na propriedade da família Holschu.

22/09/2019 16h35
Por: Gilmar Machado
Fonte: Guia Crissiumal, com pesquisa em material do Milk Point
Fotos: Arquivo da Família Holschu
Fotos: Arquivo da Família Holschu

A morte de quatro vacas com suspeitas de intoxicação foi registrada neste sábado (21) no interior de Crissiumal. O caso ocorreu na localidade de Lajeado Grande, na propriedade da família Holschu.

Existe a suspeita que os animais tenham comido ureia acidentalmente. Uma quinta vaca também está intoxicada, sendo que os pecuaristas estão tratando a mesma para que não tenha o mesmo final dos outros animais.

O Guia Crissiumal falou com telefone com a família Hoschu, que está bastante abalada com o caso, porém autorizou a nossa publicação. “Esperamos que a outra vaca recupere. Esse é nosso ganha pão. Estamos muito abalados”, relataram a nossa reportagem.

Eles estimam que o prejuízo com os animais mortos supere os 10 mi reais. Um laudo da morte dos animais será elaborado pelo médico veterinário Paulo C. Romero de Lima.

A contaminação de animais com ureia é muito mais frequente do que a gente imagina. O quadro de intoxicação se caracteriza por apatia, incoordenação motora, tremores musculares, timpanismo, salivação excessiva, micção e defecação freqüentes, dispnéia, enrijecimento dos membros anteriores, prostração, tetania, convulções, colapso circulatório, asfixia e morte. A evolução é rápida e a morte ocorre cerca de quatro horas após a ingestão. Durante a necropsia deve-se observar atentamente sinais de irritação no rúmen, cheiro de amônia, congestão e edema pulmonar, hemorragias endo e epicárdias, abomasite leve, congestão e degeneração do rim e fígado.

O tratamento tem que ser imediato. Para isso, pode-se utilizar uma sonda oro esofágica para aliviar a compressão de gases por causa do timpanismo, tomando os devidos cuidados para evitar uma possível falsa via. A água gelada em grandes quantidades (20-40 litros por animal) pode ser usada para reduzir a temperatura ruminal e diminuir a atividade da urease. O uso de ácidos fracos (vinagre ou ácido acético 5%, 3 a 6 litros por animal adulto, a cada 6 ou 8 horas), além de baixar o pH, diminui a hidrólise da ureia e formam compostos com a amônia (acetato de amônia), reduzindo assim sua absorção. Estudos realizados por Bartley et al. (1976) demonstraram que o esvaziamento do rúmen através de abertura cirúrgica na fossa paralombar, inserindo líquido ruminal de vacas sadias, apresentaram melhores resultados comparado ao ácido acético em tratamento de casos experimentais de intoxicação por ureia.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.