RD Online
CENTER MÓVEIS REDENTORA
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
Nacional Gás Redentora
Marina Móveis Redentora
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
Cervejaria da Praça
Macali Brasil
ZANY DECORAÇÕES
Raynet Telecomunicações
JP Celulares Redentora
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Via Tec telecom
UNOPAR INFE
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Marcos Higienização e serviços em geral
UNOPAR VESTIBULAR
Banner Site
Anúncio Rádio RD Online
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
Gugui Confecções
Lavacar e Borracharia do Juarez
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
METALÚRGICA PORTELA

Médium é investigado por suspeita de abuso sexual no RS

Polícia Civil cumpriu mandado de busca e apreensão em centro espírita nesta segunda-feira (11). Suspeito, de 64 anos, mora em Canoas. Ele preferiu não se manifestar na delegacia.

12/11/2019 11h28
Por: Josoel Silvestre
Fonte: G1 RS
Polícia Civil de Venâncio Aires investiga o caso — Foto: Reprodução / RBS TV
Polícia Civil de Venâncio Aires investiga o caso — Foto: Reprodução / RBS TV

Um homem de 64 anos que atua como médium é investigado pela Polícia Civil, em Venâncio Aires, no Vale do Rio do Pardo, por suspeita de abuso sexual. Nesta segunda-feira (11), foi cumprido um mandado de busca e apreensão no centro espírita onde o ele atua.

No local, foram encontrados diversos tipos de remédios, sendo que alguns estavam vencidos. Três mulheres já prestaram depoimentos na delegacia, assim como o líder espiritual, que esteve acompanhado do advogado e preferiu não se manifestar.

"As mulheres compareciam ao centro de atendimento e saíam de lá perplexas com o tratamento que era dado", diz Vinícius Lourenço de Assunção, um dos delegados que investiga o caso. "Muitas vezes passando a mão, às vezes oferecendo tratamentos noturnos, com exclusividade, beijos forçados e oferecimento de carícias."

Conforme a Polícia Civil, as denúncias começaram no início de outubro. O homem, que é de Canoas, atua duas vezes por semana no centro espírita de Venâncio Aires, que existe há 20 anos, mas também atua na cidade da Região Metropolitana.

"Nós temos casos mais antigos, casos de dois anos atrás, de pessoas que abandonaram o centro. Muitas mulheres acabaram desencorajadas. Elas sofreram esses abusos no passado, e por achar que nada seria feito, acabaram deixando de lado. Não informaram a polícia e até familiares por vergonha, por uma série de razões. À medida que a polícia tomou conhecimento desses primeiros casos, outras pessoas que também sofreram abusos se encorajaram para relatar casos semelhantes", completa o delegado.

Mais testemunhas devem ser ouvidas na sequência da investigação.

Remédios foram apreendidos em mandado de busca e apreensão cumprido pela polícia em Venâncio Aires — Foto: Reprodução/RBS TV

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.