RD Online
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Lavacar e Borracharia do Juarez
Macali Brasil
Gugui Confecções
Marina Móveis Redentora
METALÚRGICA PORTELA
UNOPAR VESTIBULAR
Banner Site
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Nacional Gás Redentora
Via Tec telecom
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
ZANY DECORAÇÕES
UNOPAR INFE
Raynet Telecomunicações
Cervejaria da Praça
Marcos Higienização e serviços em geral
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
JP Celulares Redentora
Anúncio Rádio RD Online
PRISÕES NA RESERVA

PF prende vice-cacique e mais oito caingangues da reserva da Guarita

Entre os presos está um líder indígena que foi candidato a deputado federal

19/11/2019 11h30Atualizado há 4 semanas
Por: Gilmar Machado
Fonte: Zero Hora
Um dos nove capturados pela Polícia Federal por suspeita de envolvimento em atentados é o vice-cacique Vanderlei Ribeiro, o Vandinho (de cocar) Tadeu Vilani / Agencia RBS
Um dos nove capturados pela Polícia Federal por suspeita de envolvimento em atentados é o vice-cacique Vanderlei Ribeiro, o Vandinho (de cocar) Tadeu Vilani / Agencia RBS

A operação desencadeada na manhã desta terça-feira (19) pela Polícia Federal na maior reserva indígena do Rio Grande do Sul, a Guarita, resultou na prisão de nove pessoas até as 10h30min. Entre os detidos está o vice-cacique dos caingangues, Vanderlei Ribeiro, o Vandinho. Ele é suspeito de organizar tentativa de homicídio contra o cacique, Carlinhos Alfaiate - cuja casa e veículo foram alvejados com mais de 20 tiros, em 19 de outubro.

Além de Vandinho a PF prendeu outra liderança indígena aliada do vice-cacique. É Zaqueu Claudino, professor e doutorando, que foi candidato a deputado estadual em 2014 pelo PCdoB. Na ocasião, ele obteve 5.066 votos.

Zaqueu vivia na Grande Porto Alegre, mas voltou para a reserva da Guarita (situada próximo à fronteira da Argentina) e se aliou ao vice-cacique Vandinho. Testemunhas ouvidas pela PF apontam os dois como envolvidos na trama para assassinar o cacique. Liderados deles também seriam os responsáveis pela emboscada que matou um caingangue ligado ao cacique e feriu outros três,  no dia 7 de novembro.

Os policiais buscam armas que estariam estocadas com o grupo. Um dos nove presos portava uma espingarda calibre 36.Todos devem ser enquadrados em formação de milícia, uma novidade do Código Penal, que prevê pena de quatro a nove anos de reclusão. Em alguns casos, serão também enquadrados em homicídio e tentativa de homicídio.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.