RD Online
Banner Site
Via Tec telecom
Marina Móveis Redentora
UNOPAR VESTIBULAR
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
Gugui Confecções
Cervejaria da Praça
Lavacar e Borracharia do Juarez
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
Marcos Higienização e serviços em geral
Anúncio Rádio RD Online
JP Celulares Redentora
METALÚRGICA PORTELA
Raynet Telecomunicações
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Macali Brasil
UNOPAR INFE
ZANY DECORAÇÕES
Nacional Gás Redentora
"CARNE SALGADA"

Após alta da carne, preços de frango e peixe preocupam

Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que valor da carne bovina não deve baixar tão cedo

30/11/2019 14h51
Por: Gilmar Machado
Fonte: Por AE
No Ministério da Agricultura, a análise é de que o preço da carne vermelha deverá se estabilizar em um patamar de preços influenciado diretamente pelo custo internacional da proteína | Foto: Alina Souza / CPMemória
No Ministério da Agricultura, a análise é de que o preço da carne vermelha deverá se estabilizar em um patamar de preços influenciado diretamente pelo custo internacional da proteína | Foto: Alina Souza / CPMemória

O efeito do preço da carne vermelha, que subiu mais de 35% em um mês em São Paulo, no valor da carne de frango e do peixe está sendo analisado de perto pelo governo. A avaliação é de que a inflação de outras carnes seria um movimento natural de livre mercado, ou seja, com o aumento da procura por frango e também por peixe, é de se esperar que haja reajuste nos preços desses itens, principalmente nesta época de fim de ano.

No Ministério da Agricultura, a análise é de que o preço da carne vermelha deverá se estabilizar em um patamar de preços influenciado diretamente pelo custo internacional da proteína. Hoje, o preço da arroba do boi gordo - o equivalente a 15 kg de carne - oscila entre US$ 40 e US$ 50. Se considerada a cotação desta sexta-feira (29), com o dólar a R$ 4,23, chega a um preço de até R$ 201 pela arroba do boi.

Nesta semana, em São Paulo, a arroba, que era vendida até o mês passado por R$ 140, em média, chegou a ser negociada por R$ 231 (algo em torno de US$ 54). Isso leva o governo a crer que haverá depois da "euforia" com as importações chinesas, uma "acomodação" do preço no mercado nacional, mas sem retornar ao patamar anterior.

Na quinta-feira (28), em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que, além do efeito das exportações, é preciso considerar fatores internos, como o preço nacional cobrado pelo pecuarista, que estava sem reajuste há três anos, além da seca prolongada, que mexeu com a produção do boi gordo.

"Sabemos que essa situação decorre de uma conjuntura de fatores. Agora, a arroba não vai baixar mais ao patamar que estava", disse.

Frango

A ministra ainda brincou com repórteres quando foi questionada se estava consumindo carne vermelha, Tereza Cristina respondeu: "Estou comendo frango. Agora, é só frango".

O mercado chinês tem apresentado uma variação brusca de preços. A tonelada da carne, que estava sendo exportada ao país asiático pelo preço médio de R$ 7.000, já é negociada em R$ 6.000.

O governo refuta qualquer risco de desabastecimento de carne no mercado nacional. O país tem hoje um rebanho de 215 milhões de cabeças de gado, ou seja, há mais bois no pasto que cidadãos no Brasil.

Na avaliação de economistas, a alta não só da carne bovina como de outras mercadorias agrícolas - como feijão (de 38,1%, no atacado, até a metade de novembro), café (5,6%) e frango (3,2%) - deve colaborar para uma aceleração da inflação nos próximos meses.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.