RD Online
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
JP Celulares Redentora
ZANY DECORAÇÕES
Banner Site
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Raynet Telecomunicações
Anúncio Rádio RD Online
UNOPAR VESTIBULAR
Cervejaria da Praça
POLO UNOPAR REDENTORA
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Lavacar e Borracharia do Juarez
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
Marcos Higienização e serviços em geral
Macali Brasil
Nacional Gás Redentora
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
METALÚRGICA PORTELA
Marina Móveis Redentora
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
Via Tec telecom
Gugui Confecções
SAÚDE PÚBLICA

Anvisa regula remédios derivados de maconha e produtos poderão ser vendidos em farmácias

O marco regulatório cria uma nova classe de produtos que ficará sujeita à vigilância sanitária

03/12/2019 14h29
Por: Gilmar Machado
Fonte: Gaúcha ZH
Foto: Félix Zucco/Agência RBS
Foto: Félix Zucco/Agência RBS

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta terça-feira (3) o novo regulamento para produtos derivados de Cannabis sativa.  O marco regulatório cria uma nova classe de produtos que agora fica sujeita à vigilância sanitária: os produtos à base de Cannabis.  O objetivo da agência era assegurar um mínimo de garantia a usuários dos produtos.

A resolução trata sobre os procedimentos para a concessão de uma autorização sanitária para a fabricação e a importação desses produtos, bem como estabelece requisitos para comercialização, prescrição, dispensação, monitoramento e fiscalização de produtos de Cannabis para fins medicinais. 

Os produtos à base de Cannabis deverão ser vendidos exclusivamente por farmácias ou drogarias mediante apresentação de prescrição por profissional médico legalmente habilitado.  A manipulação de qualquer produto derivado de Cannabis é proibida pelo marco. 

Também ficou determinado que os fabricantes dos produtos que optarem por importar o substrato da Cannabis para fabricação do produto deverão realizar a importação da matéria-prima semielaborada, e não da planta ou parte dela. 

Para a prescrição do produto, as novas regras variam de acordo com a concentração de tetra-hidrocanabinol (THC). Nas formulações com concentração de THC menor do que 0,2%, o produto deverá ser prescrito por meio de receituário tipo B, com numeração fornecida pela vigilância sanitária local e renovação de receita em até 60 dias. 

Aqueles com concentrações de THC superiores a 0,2% só poderão ser prescritos a pacientes terminais ou que tenham esgotado as alternativas terapêuticas de tratamento. Neste caso, o receituário para prescrição será do tipo A, também fornecido pela vigilância sanitária local, padrão semelhante ao da morfina, por exemplo.

As diferenças nas regras de prescrição para as formulações foram estabelecidas após análise do perfil de segurança da substância e dos efeitos psicoativos do THC. 

 A regulamentação aprovada será publicada no Diário Oficial da União nos próximos dias e passará a vigorar 90 dias após a publicação. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.