RD Online
Macali Brasil
Via Tec telecom
UNOPAR VESTIBULAR
METALÚRGICA PORTELA
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
Raynet Telecomunicações
Móveis Rústicos do Nego Claudio
Cervejaria da Praça
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
Anúncio Rádio RD Online
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
JP Celulares Redentora
Banner Site
UNOPAR INFE
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Gráfica Modelo
Marina Móveis Redentora
Gugui Confecções
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Nacional Gás Redentora
BASE DE CANABIDIOL

"Tem que ser garantido gratuitamente pelo SUS", diz Osmar Terra sobre remédios à base de canabidiol

Ministro da Cidadania participou do programa 'Timeline', da Rádio Gaúcha, nesta quarta-feira

04/12/2019 14h12
Por: Gilmar Machado
Fonte: Gaúcha ZH
Foto: Mateus Bruxel/Agência RBS
Foto: Mateus Bruxel/Agência RBS

Em entrevista ao programa Timeline da Rádio Gaúcha nesta quarta-feira (4), o ministro da Cidadania, Osmar Terra, comentou as duas decisões que envolvem Cannabis sativa para fins medicinais.  A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, na manhã de terça-feira (3), o novo regulamento para produtos derivados de maconha, mas rejeitou a possibilidade de plantio da erva para fins medicinais. Ele salientou que o marco regulatório aprovado muda somente o controle de compra e venda dos remédios:

— É o mesmo remédio e vai ter controle clínico. Se for eficiente, se permite. A Anvisa ainda vai regular um por um, então, nas farmácias, não houve mudança nenhuma. Se for em qualquer lugar (hoje), vai ter os medicamentos que desde 2015 são importados à base de canabidiol (na verdade, o Mevatyl é o único medicamento que hoje é registrado no Brasil, com preço por vezes superior a R$ 2 mil).

Durante a fala, o ministro fez uma crítica aos grandes jornais que estão vendendo a notícia como um avanço, sendo que a venda é permitida há mais de quatro anos. Ele também disse apoiar o acesso gratuito aos remédios, já que há comprovação científica de que o canabidiol tem benefício no tratamento de síndromes e doenças convulsivas raras.

— Tem que ser garantido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), é uma questão que estamos cobrando junto ao Ministério da Saúde para viabilizar.

Terra também criticou a proposta (que foi rejeitada) de liberação do plantio de maconha com fins medicinais no Brasil. Segundo ele, a liberação generaliza plantio e consumo, e não há como ter controle da situação. O ministro ainda citou como exemplo outros Estados e países que permitem o cultivo para uso medicinal, mas acabam tendo aumento no número de dependentes.

Em relação a comparação entre a maconha recreativa e o álcool, Terra citou os números de dependência e os danos para a saúde. Segundo ele, 30 milhões de pessoas são dependentes do álcool e cigarro, enquanto 7 milhões são dependentes de drogas como maconha, cocaína e crack. A diferença nos números, de acordo com o ministro, se dá devido a legalização.

— Dizer que a maconha é droga leve e o álcool é droga pesada é um erro — afirmou —Não estou defendendo o álcool, acho que o álcool tem que ser restrito, mas um erro não justifica o outro — completou Terra.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.