RD Online
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
JP Celulares Redentora
Macali Brasil
Anúncio Rádio RD Online
METALÚRGICA PORTELA
ZANY DECORAÇÕES
Marcos Higienização e serviços em geral
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
UNOPAR VESTIBULAR
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
Cervejaria da Praça
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
Marina Móveis Redentora
Lavacar e Borracharia do Juarez
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Via Tec telecom
Gugui Confecções
Banner Site
Nacional Gás Redentora
POLO UNOPAR REDENTORA
Raynet Telecomunicações

Operação combate fraude na venda de medicamentos no Rio Grande do Sul

04/12/2019 14h54
Por: Josoel Silvestre
Fonte: O Sul
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos do RS, formado por Ministério Público, Receita Estadual e Procuradoria-Geral do Estado, deflagrou, na manhã desta quarta-feira (04), a Operação Balsas para combater um esquema de fraude tributária na venda de medicamentos.

Com o apoio da Brigada Militar, foram cumpridos mandados de busca e apreensão em oito residências na Capital e em seis empresas em Canoas. As investigações, iniciadas a partir de relatório de verificação fiscal da Receita Estadual, dão conta de uma fraude fiscal estruturada em que um grupo familiar empresarial, que detém a operação de um conglomerado formado por uma atacadista de medicamentos com sede em Canoas e empresas que distribuem os remédios em farmácias de todo o País, é suspeito de praticar crimes como sonegação de impostos, blindagem patrimonial para a ocultação dos efetivos administradores e beneficiários do esquema e organização criminosa.

O chefe do esquema ilegal seria o proprietário da atacadista de medicamentos. Para praticar as fraudes tributárias, ele criava empresas em nomes de familiares e laranjas. Pelo menos dez empresas que foram baixadas, além das que estão em atividade atualmente, devem R$ 150 milhões em ICMS. Dessa forma, os investigados blindaram o patrimônio das responsabilidades administrativas, fiscais e criminais, fazendo com que o Estado não consiga reaver o tributo sonegado. O patrimônio foi realocado em outras empresas, que seguem as atividades, até serem descartadas e substituídas por novas, conforme o Ministério Público.

Segundo o promotor de Justiça Aureo Braga, “a forma de operação do grupo empresarial transborda a sonegação, pois vem praticando diversas fraudes tributárias com repercussão na concorrência desleal em razão de não pagar os impostos, vendendo mercadorias abaixo dos patamares normais e retirando do mercado ou impondo dificuldades para as empresas que trabalham na legalidade”.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.