RD Online

WhatsApp

55996230597 -- 55999899863 -- 55997318413

JP Celulares Redentora
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
ZANY DECORAÇÕES
Cervejaria da Praça
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
Anúncio Rádio RD Online
Lavacar e Borracharia do Juarez
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Raynet Telecomunicações
METALÚRGICA PORTELA
Marcos Higienização e serviços em geral
Nacional Gás Redentora
Via Tec telecom
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Banner Site
UNOPAR VESTIBULAR
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
Macali Brasil
Marina Móveis Redentora
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Gugui Confecções
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
POLO UNOPAR REDENTORA

Justiça nega pedido do Cpers e autoriza corte do ponto de professores em greve

Servidores paralisaram atividades escolares em protesto contra pacote de reformas do governo Leite

04/12/2019 19h43
Por: Josoel Silvestre
Fonte: Rádio Guaíba
Servidores paralisaram atividades escolares em protesto contra pacote de reformas do governo Leite | Foto: Alina Souza / CP Memória
Servidores paralisaram atividades escolares em protesto contra pacote de reformas do governo Leite | Foto: Alina Souza / CP Memória

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul negou, nesta quarta-feira, um pedido de liminar protocolado pelo Cpers a fim de impedir o corte do ponto dos professores em greve. A paralisação na rede estadual de ensino começou em 18 de novembro. O sindicato que representa os educadores alegou que o Executivo não pode descontar os dias parados dos servidores, já que não vem pagando os salários em dia. O desembargador Glênio José Wasserstein Hekman, do TJRS, negou o recurso do Cpers.

“Primeiro, inexiste o ato concreto de corte de ponto; segundo, porque não restou caracterizado, de pronto, a conduta ilícita do Poder Público, considerando a jurisprudência dos tribunais”, despachou o magistrado. A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) já havia argumentado que as alegações do sindicato não podiam servir de justificativa, uma vez que a crise fiscal vivida pelo Estado alterou o cenário de pagamento do funcionalismo, que já amarga 48 meses de parcelamento.

No dia 22 de novembro, o governador Eduardo Leite (PSDB) assinou ofício confirmando o corte de ponto dos professores que entraram em greve. O tucano colocou-se a disposição para negociar a primeira semana de paralisação, porém depois de cinco dias de greve definiu pelo desconto em folha. “O governo está aberto ao dialogo, mas não dá para aceitar que essa greve ocorra sem justificativa, por conta da prestação de um serviço que é essencial, em fim de ano letivo, para a população”, afirmou.

Os educadores cruzaram os braços em protesto contra o pacote enviado pelo Executivo à Assembleia, alterando as regras do funcionalismo e o plano de carreira dos servidores. Após o corte, o Cpers ingressou na Justiça e criticou a decisão de Leite. O sindicato classificou de “ameaça vazia” e medida “inócua”, por falta de “respaldo legal”, o anúncio do corte de ponto. Para a entidade, é uma “cruel ironia” cortar um salário que a categoria não sabe quando vai ser pago.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.