RD Online
CONVITE RODEIO BRAGA
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Macali Brasil
Agenda Comércio de Bebidas Vigne e Oliveira
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
Via Tec telecom
ZANY DECORAÇÕES
Gugui Confecções
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
UNOPAR VESTIBULAR
JP Celulares Redentora
Nacional Gás Redentora
Banner Site
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Cervejaria da Praça
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
BAILE BENEFICENTE - HOSPITAL SANTO ANTÔNIO
Móveis Rústicos do Nego Claudio
UNOPAR INFE
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
Marina Móveis Redentora
METALÚRGICA PORTELA
Anúncio Rádio RD Online
Gráfica Modelo
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Raynet Telecomunicações

Casal do Oeste Catarinense comemora 75 anos de matrimônio

Jardino e Apolônia Viel se conheceram em um baile em 1944. Ele fez simpatia para se casar.

14/01/2020 15h11
Por: Josoel Silvestre
Fonte: G1 SC
Casal celebra Bodas de Diamante (Foto: Arquivo pessoal)
Casal celebra Bodas de Diamante (Foto: Arquivo pessoal)

Em 13 janeiro de 1945, o casal Jardino e Apolônia Viel fazia seus votos de matrimônio Igreja Nossa Senhora das Dores de Barra Fria, distrito do interior de Campos Novos. Nesta segunda-feira, dia 13, 75 anos depois, o casal celebra bodas de diamante. Atualmente Apolônia tem 94 anos e Jardino, 95. A paixão é o segredo para manter uma relação duradoura por tantos anos.

Quando estava com 19 anos, em 1944, o músico Jardino costumava tocar gaita nos bailes da região, onde podia admirar as moças que frequentavam os locais. Em um dos eventos, uma loira de olhos azuis acabou chamando sua atenção. Essa era Apolônia, a mulher com a qual se casaria pouco tempo depois.

Na época o gaiteiro já tinha interesse em se aproximar de outras duas moças, mas depois de ver Apolônia, teve dúvidas sobre qual delas seria a mulher de sua vida. Foi então que o homem decidiu fazer uma simpatia, que estava na moda.

No dia de São João, celebrado em 24 de junho, o alho que representava a dona Póla, como é carinhosamente chamada, brotou. Depois do acontecimento, o casal começou a namorar e não se separou mais.

Depois do matrimônio, o casal começou a ajudar um ao outro. Apolônia, que na época trabalhava como professora, ensinou Jardino a ler e escrever, além de exercícios básicos de matemática. Por outro lado, a esperteza de Jardino para os negócios auxiliou-o a abrir uma fábrica que confeccionava palhas para produção de cigarros, além de revender acordeões e carros Jeep Willys.

Em seguida o casal começou a trabalhar paralelamente no Correio de Lacerdópolis, cidade próxima a Campos Novos, onde ficou até se aposentar.

Depois de 75 anos vividos com amor e a união de seus quatro filhos, sete netos e três bisnetos, o casal celebrou na tarde deste domingo, dia 12, no município de Ouro, também no Oeste, a data que surpreendeu até o frei, que estava presente e deu uma benção ao casal.

A neta Mariana conta sorridente sobre os dois estarem vivendo na fase de melhor saúde. Na celebração dos 70 anos de matrimônio o avô estava internado e a família preocupada sem saber se ele conseguiria se recuperar.

Atualmente o casal mora em Ouro com o auxílio de duas cuidadoras, que ficam com eles 24 horas por dia, e recebe diariamente a visita dos familiares que mantém o cuidado pelos velhinhos.

  • Casal do Oeste Catarinense comemora 75 anos de matrimônio
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.