RD Online
Cervejaria da Praça
UNOPAR INFE
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
BAILE BENEFICENTE - HOSPITAL SANTO ANTÔNIO
Agenda Comércio de Bebidas Vigne e Oliveira
CONVITE RODEIO BRAGA
Móveis Rústicos do Nego Claudio
Gugui Confecções
JP Celulares Redentora
Raynet Telecomunicações
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
Gráfica Modelo
Nacional Gás Redentora
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
Macali Brasil
Marina Móveis Redentora
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Banner Site
Anúncio Rádio RD Online
METALÚRGICA PORTELA
ZANY DECORAÇÕES
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
CENTER MÓVEIS REDENTORA
UNOPAR VESTIBULAR
Via Tec telecom
PEDIDO NEGADO

Justiça do RS nega pedido do MTG e mantém liminar que suspende posse da nova presidente

Entidade alega que o sistema eleitoral é parlamentarista e não presidencialista. Juíza Carmem Luiza Rosa Constante Barghout afirmou que elementos apontados pelo MTG não são suficientes para mudar a decisão.

15/01/2020 08h40
Por: Gilmar Machado
Fonte: G1 RS
Elenir e Gilda, candidatas ao MTG em 2020 — Foto: Giovani Grizotti
Elenir e Gilda, candidatas ao MTG em 2020 — Foto: Giovani Grizotti

A Justiça do Rio Grande do Sul negou o pedido de reconsideração do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), nesta terça-feira (14), sobre o resultado da eleição a presidência da entidade. A juíza Carmem Luiza Rosa Constante Barghout manteve a liminar que suspendeu a posse da candidata Elenir Winck. Cabe recurso no Tribunal de Justiça.

"É de ser indeferido o pedido de reconsideração formulado pelos requeridos, mantendo-se a decisão liminar em sua integralidade, observando-se que a questão aventada pelos exige uma análise aprofundada, ou seja, confunde-se com o mérito da causa", decidiu.

O G1 fez contato com o MTG. O atual presidente, Nairo Callegaro, informou que vai se reunir com os advogados e deve se pronunciar nas próximas horas.

Elenir Winck se manisfestou pelas redes sociais. "Seguimos firmes em nossos propósitos de preservar a dignidade de nossa instituição. Temos plena convicção de nossa postura ética e nossa retidão de caráter para com nossa cultura e nossa tradição, bem como para com todos os tradicionalistas do nosso Rio Grande. Conhecemos, defendemos e confiamos nas leis que regem nosso amado MTG".

No pedido de reconsideração, a entidade alega que "o sistema eleitoral do MTG caracteriza-se pelo regime parlamentarista e não presidencialista". Ou seja, para o MTG, os eleitores votam na chapa e não no candidato.

"Embora o nome de um candidato represente a chapa concorrente às eleições, na realidade, ele somente lidera uma chapa nominativa de candidatos membros titulares do Conselho Diretor e que, após a proclamação dos resultados das eleições e a definição do Conselho Diretor Eleito, este novo Conselho, em reunião com os membros do Conselho eleitos no ano anterior, elege seu presidente e vices-presidentes. Assim, reafirma que as votações servem para eleição de uma chapa de membros ao Conselho Diretor e não de um presidente", explicou a entidade no pedido.

De acordo com a magistrada, os elementos apontados pelo MTG não são suficientes para mudar a decisão da Justiça.

"Os requeridos entendem que a questão merece ser resolvida através de uma leitura completa e contextualizada do Regimento e Estatuto da entidade, com o que não haveriam dúvidas em relação ao tipo de votação da eleições do MTG, que seria caracterizado por ser de regime parlamentar e não presidencialista. Entretanto, a decisão liminar já analisou este aspecto, asseverando que a análise interpretativa feita pela Comissão Eleitoral é passível de ser feita somente quando da apreciação do mérito", escreveu a juíza.

A magistrada alegou que a cédula eleitoral da entidade apresenta apenas o número da chapa e os nomes Gilda Galeazzi e Elenir Winck como candidatas à presidência. "Corroborando a interpretação lógica de que encabeçariam a chapa".

A juíza ainda anexou ao processo reportagens publicadas na internet em que esclarece que "para a população em geral, a eleição para presidente envolveria duas mulheres como candidatas à presidência".

No despacho, Carmem Luiza Rosa Constante Barghout afirma que "eventual dubiedade do art.127 do regulamento da instituição, merece ser resolvido". A juíza explica: "quando está determinado que 'será considerada eleita a chapa que tiver o candidato mais idoso', entendendo-se que se refere à cabeça da chapa".

Entenda o caso

Gilda Galeazzi e Elenir Winck disputavam a presidência do MTG. É a primeira vez que duas mulheres disputam a presidência da entidade.

A eleição aconteceu no Parque do Imigrante, em Lajeado, no Vale do Taquari, no sábado (11), e contabilizou 1060 votos. O resultado deu empate. Cada uma delas recebeu 530 votos.

O regulamento do MTG determina que, em caso de empate, será considerada eleita a chapa com o candidato mais idoso. Ao G1, Gilda Galeazzi informou que tem 65 anos. Já Elenir Winck disse ter 61.

Como critério de desempate, a comissão eleitoral da Assembleia Geral Eletiva do 68º Congresso Tradicionalista do MTG analisou a idade de todos os integrantes das chapas. Como o suplente do conselho da chapa de Elenir, Wilson Barbosa de Oliveira, tem 77 anos, ela foi declarada vencedora.

Com o resultado, Gilda Galeazzi entrou na Justiça para anular a posse.

"Pegou todo o RS de surpresa, porque não é normal ocorrer um empate. Normalmente tem uma diferença de votos. E o que mais surpreendeu o RS, os delegados, os patrões, a assembleia, é o não cumprimento do regulamento, que é bem explicito, e diz que havendo empate o candidato mais idoso é que dá o direito de ser eleito a presidente do movimento. Todos as campanhas que fizemos foram com os candidatos, seja A ou B. E isso nos deixa muito chateados pelo não cumprimento do regulamento", disse à RBS TV a candidata Gilda Galeazzi.

A Justiça do Rio Grande do Sul concedeu liminar e a posse da nova presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), Elenir Winck, prevista acontecer no sábado, foi suspensa.

De acordo com a juíza de plantão, Carmem Luiza Rosa Constante Barghouti, houve "interpretação extensiva e ampla de norma".

"O critério objetivo do parágrafo único do art. 127 do Regulamento é claro no sentido que, em caso de empate, será considerada eleita a Chapa que contiver o candidato mais idoso. No caso, em sede cognição sumária, tem-se que a autora [Gilda] é mais idosa que a concorrente [Elenir]. A interpretação dada pela Comissão que buscou declarar vencedora chapa em que um suplente é a pessoa mais idosa de todos os que concorriam na eleição é questão interpretativa e passível de análise mais aprofundada", escreveu no despacho.

Elenir Winck informou, por telefone, que só irá se manifestar depois da decisão final da Justiça.

Veja o que diz o regulamento

  • Justiça do RS nega pedido do MTG e mantém liminar que suspende posse da nova presidente
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.